Documento sem título
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Documento sem título
Palavra do Presidente
Histórico
Certidão Sindical
Categorias
Missão
Base Territorial
Data Base
Editais
 
Serviços
Homologação
Documentos para Homologação
Endereços para homologar
Central de Atendimento
 
Cadastre-se (Empregado)
Balcão de Empregos
Ben + Familiar
Brasil Med Saúde Prev
Benefícios
Sorteios
Dia das Crianças
Material Escolar
Galeria de Fotos
Notícias
Informativos
 
Cadastre-se
Comunicados
Contribuições
Convenções e Acordos
PLR
 
Sedes
Fale Conosco
Disque Denúncia
 
 
 
NOTÍCIAS
 
NotŪcia - Mulher ser√° indenizada em R$ 10 mil por descontos indevidos em benef√≠cio 27/05/2024
Mulher será indenizada em R$ 10 mil por descontos indevidos em benefício

Mulher que teve valores descontados de seu benef√≠cio por um empr√©stimo consignado n√£o autorizado ser√° indenizada em R$ 10 mil por danos morais. O ac√≥rd√£o foi proferido pela 21¬™ c√Ęmara de Direito Privado do TJ/SP, que concluiu que o banco falhou na presta√ß√£o de servi√ßo devido a brechas em seu sistema de seguran√ßa.

A autora, que recebia benefício previdenciário, moveu uma ação contra o banco, alegando que teve descontos em seu benefício devido a um empréstimo consignado que afirmou não ter contratado. Dessa forma, solicitou a restituição em dobro dos valores descontados e indenização por danos morais de R$ 13 mil.

O banco defendeu a regularidade da transação e apresentou um contrato, supostamente firmado com "a utilização de biometria facial". Contudo, a autora manteve sua posição de que nunca havia consentido com tal serviço.

Ela relatou que foi abordada por uma suposta correspondente do banco por meio de um aplicativo de mensagens, que lhe sugeriu uma "portabilidade" para quitar um contrato existente com outra institui√ß√£o financeira e substitu√≠-lo por outro mais vantajoso.¬†Seguindo as orienta√ß√Ķes, ela acessou as opera√ß√Ķes atrav√©s de um link enviado e realizou os passos indicados.

Posteriormente, ela descobriu que o empréstimo anterior ainda estava ativo e que um novo tinha sido contratado em seu nome. O juízo inicial condenou o banco a devolver o valor em dobro à beneficiária e pagar R$ 5 mil por danos morais.

Ao avaliar o caso, o desembargador Décio Rodrigues, relator, destacou que o conjunto probatório da autora "insere-se em um contexto de manipulação e induzimento, que poderia ter sido evitado, não fosse a negligência da ré e a fragilidade de seu sistema".

"Embora não exista sistema de segurança invencível, se houver a transposição e o sucesso ferindo os direitos do cliente, com culpa do banco ou não, desnecessário perquiri-la. Sua responsabilidade se apresenta de forma objetiva (art. 14 do CDC)."

Com isso, o relator concluiu que houve falha na prestação dos serviços e o colegiado concordou com seu voto, decidindo anular o contrato em questão e condenar o banco a indenizar a autora em R$ 10 mil por danos morais.

O escritório Rodrigues Ferreira Advogados atua pela beneficiária.

Processo: 1001325-62.2022.8.26.0462

Fonte: Migalhas


 
                 
O SINDICATO
Palavra do Presidente
Histórico
Certidão Sindical
Categorias
Missão
Base Territorial
Data Base
Editais
 
JURÍDICO
Serviços
Homologação
Central de Atendimento
 
PARA ASSOCIADOS
Benefícios
Sorteios
Galeria de Fotos
Notícias
Informativos
Dia das Crianças
Material Escolar
 
PARA EMPRESA
Cadastre-se
Contribuições
Convenções e Acordos
 
CONTATO
Sedes
Fale Conosco
Disk Denúncia
 
 
 
2013 © Todos os direitos reservados